Tel: (11) 2533-0830 / (11) 2537-0830

Entre em contato para realizar o seu agendamento.

Tendinopatias / Bursites / Fasciíte / Entesite

 

Os tendões são as estruturas responsáveis pela ligação dos músculos aos ossos, permitindo a realização do movimento articular. São tecidos fibrosos, densos e resistentes. A tendinite é a inflamação do tendão e pode ser decorrente de esforço físico intenso ou repetitivo, trauma, processos degenerativos, doenças inflamatórias autoimunes, distúrbios metabólicos e infecções. Os sintomas incluem principalmente dor e/ou limitação a movimentação da articulação acometida. Os sítios mais comumente acometidos são os tendões do ombro (lesões do manguito rotador – supraespinhoso, infraespinhoso, subescapular e redondo menor), das mãos (Tenossinovite de De Quervain – abdutor longo e extensor curto do polegar), tendinite dos glúteos com dor em região trocantérica, tendinite de quadríceps e tendinite anserina (sartório, grácil e semitendíneo) na região próxima aos joelhos e tendinite de calcâneo na região do tornozelo. O diagnóstico é realizado, na maioria das vezes, pelo exame clínico, sendo, eventualmente, solicitados exames complementares como ultrassonografia, ressonância magnética ou exames laboratoriais. O tratamento é individualizado e vai depender da região acometida e do fator causal identificado e inclui analgesia, anti-inflamatórios, infiltrações, fisioterapia e terapia ocupacional.

As bursas ou bolsas sinoviais são cavidades fechadas, similares à sinovia, que facilitam deslizamento músculos e tendões sobre os ossos e outros tecidos. Seu nome deriva do latim (Bursa synovialis). Existem mais de 150 bursas no corpo humano, sendo bursite o nome dado a bursa inflamada. Este processo pode ser decorrente principalmente de traumas, infecções, movimentos repetitivos e doenças inflamatórias ou autoimunes. Os sintomas mais comuns são dor e inchaço no local que podem levar a restrição do movimento articular. As mais comuns são a bursite de ombro, cotovelo, região trocantérica, patelar, anserina e de calcâneo. Assim como nas tendinopatias, o tratamento é individualizado e vai depender da região acometida e do fator causal identificado e inclui analgesia, anti-inflamatórios, infiltrações, fisioterapia e terapia ocupacional.

As ênteses são estruturas responsáveis pela inserção de tendões e ligamentos nos ossos e, quando acompanhadas de processo inflamatório, recebem o nome de entesite. Podem ser decorrentes de traumas, doenças por depósito de cristais, metabólicas ou como manifestação de doenças inflamatórias ou autoimunes como nas espondiloartrites.

Por sua vez, as fáscias são um tecido conjuntivo que envolve músculos, vasos sanguíneos, nervos e órgãos. A fasciíte plantar é a mais frequente e se caracteriza por processo inflamatório local por microtraumatismos de repetição na origem da tuberosidade medial do calcâneo ou decorrente de doença autoimune. Manifesta-se por dor na planta dos pés e ao redor da base do calcâneo e no arco plantar, principalmente ao levantar-se da cama, ou após um período de repouso. O tratamento envolve principalmente analgesia, infiltração, uso de palmilha e fisioterapia.